sexta-feira, 29 de Julho de 2011

ESTUDO DAS CONTAS DE DISPONIBILIDADE


I. Caixa

As principais operações que implicam a movimentação da conta Caixa são:

1.    Recebimento dos clientes, em resultado de vendas efectuadas a prazo:
Caixa                        Debitada
Clientes                    Creditada

2.    Recebimento por vendas efectuadas a pronto pagamento
Caixa                        Debitada
Vendas                     Creditada

3.    Levantamento efectuado da conta de Depósitos à ordem
Caixa                        Debitada
Dep. à ordem           Creditada

4.    Depósitos bancários à ordem
Dep. à ordem           Debitada
Caixa                        Creditada

  
5.    Pagamento a fornecedores resultantes de compras a prazo
Fornecedores          Debitada
Caixa                        Creditada

6.    Compras a pronto de mercadorias 
Mercadorias             Debitada
Caixa                        Creditada

7.    Compra de bens, a pronto, para o imobilizado da empresa
Imobilizações corpóreas     Debitada
Caixa                                    Creditada

F.S.E                         Debitada
Impostos                   Debitada
C.P.F                         Debitada
Caixa                         Creditada


9.    Disponibilidade em moeda estrangeira: devem expressar, no final do exercício, ao câmbio que está em vigor nessa data, o respectivo contravalor em Kz
Caixa                         Debitada
P.G.F                         Creditada


Se, no final do exercício, o valor em moeda estrangeira for inferior ao valor que estava debitada na conta Caixa, verifica-se uma perda para a empresa.
C.P.F                         Debitada
Caixa                         Creditada

10. Transferência de caixa
Na caixa de Sede
Transferência de caixa                  Debitada
Caixa                                               Creditada
Na caixa de filial
Caixa                                               Debitada
Transferência de caixa                  Creditada

Em resumo



Saldo inicial
Cobranças aos clientes
Recebimento por venda a pronto
Levantamento para reforça de caixa
Diferenças de câmbio positivas
Depósitos bancários
Pagamento a fornecedores
Compras a pronto
Pagamentos de despesas diversas
Diferenças de câmbio negativas





II. Depósitos em bancos (Depósito à ordem)

As principais operações que implicam a movimentação da conta Depósitos à ordem são:

1.    Depósitos bancários:
Depósitos à ordem              Debitada
Caixa                                    Creditada

2.    Transferências bancárias por ordem dos clientes
Depósitos à ordem              Debitada
Clientes                                Creditada

3.    Lucros de depósitos
Depósitos à ordem               Debitada
P.G.F                                     Creditada

4.    Levantamento para reforça de caixa
Caixa                                     Debitada
Depósito à ordem                 Creditada

5.    Pagamento a fornecedores resultantes de compras a prazo, por cheque
Fornecedores                      Debitada
Depósito à ordem                Creditada

6.    Compras de bens para o imobilizado a pronto, pagos por cheque
Imobilizações corpóreas    Debitada
Depósito à ordem               Creditada

7.    Pagamento de dívida, por cheque, aos diferentes públicos
E.O.E.P                                 Debitada
Depósito à ordem                 Creditada

8.    Compra, a pronto, de mercadorias e matérias pagas por cheque
Mercadorias                         Debitada
Depósito à ordem                Creditada

9.    Pagamento de despesas de consumo diversas, por cheque, ou transferência bancária, como fornecimento e serviço prestado por terceiro, impostos, juros

F.S.E                                     Debitada
Impostos                               Debitada
C.P.F                                     Debitada
Depósito à ordem                Creditada


Em resumo


D                                              Depósito à ordem                                        C

Saldo inicial
Depósitos efectuados
Juros de depósitos

Levantamento para reforça de caixa
Pagamentos a fornecedores, outros credores, entes públicos
Compra a pronto, de mercadorias, matérias e outros bens
Pagamento de despesas diversas




III. Títulos Negociáveis

As principais operações que implicam a movimentação da conta Títulos Negociáveis são:

1.    Compra de Títulos negociáveis
Títulos negociáveis            Debitada
Caixa                                  Creditada
Depósitos à ordem            Creditada
Outros credores                Creditada

2.    Pela venda de Títulos Negociáveis
Quando os Títulos são vendidos por um valor inferior ao da sua aquisição

Caixa/D.O                             Debitada
C.P.F                                     Debitada
Títulos negociáveis              Creditada

Quando o valor da venda for superior ao respectivo valor de aquisição
Caixa/D.O                             Debitada
Títulos negociáveis              Creditada
P.G.F                                    Creditada

sexta-feira, 22 de Julho de 2011

Reforma do Ensino Técnico Profissional





BREVE HISTORIAL RETEP

I. PERÍODO PRÉ-RETEP

Anterior a reforma, existiam a funcionar em Benguela o IMIB com formação em mecânica, electricidade e contabilidade e gestão, o IMSB que dava enfermagem e algumas escolas básicas como a industrial, a Cdte Nzagi e Cdte Kassanji no Lobito e a EPAIJKapango em Benguela. A situação dos diversos cursos nestas escolas e nas demais existentes no País caracterizavam-se por:
  1. Apesar de se tratarem de matérias diferentes mas afins, os alunos de cursos diferentes estudavam todos os mesmos conteúdos, e praticamente era o projecto final quem definia o curso a tirar.
  2. A carga horária semanal e do plano curricular dos cursos não era igual chegando nalguns casos a exceder os 40 tempos semanais. Isto obrigava no caso dos regulares a ter aulas de manhã e de tarde.
  3. 3. Inexistência de computadores para os alunos receberem aulas desta índole. As aulas de introdução aos computadores eram dadas de forma teórica
  4. Existência de poucos laboratórios e oficinas apetrechadas, e as que existiam herdadas sobretudo das antigas Escolas Comercias e Industrias e outras adquiridas apôs independência mas que se foram degradando com o tempo.
  5. Os programas, planos curriculares e documentos complementares careciam de actualizações e completamento. 



II. IMPLEMENTAÇÃO DA RETEP


1. Caracterização e expansão da rede das instituições do ensino técnico profissional

A Reforma do Ensino Técnico Profissional vulgo RETEP, iniciou a sua implementação nas escolas  a partir de 2001. Actualmente, está implementada em 50 das 80 Escolas Técnicas Públicas em todo o País, e as restantes 30, fora destas. Além destas, existem 55 Escolas Técnicas Privadas, que perfazem um total de 135 Escolas Técnicas no País.

Cursos ministrados e número de Escolas Técnicas Públicas fora de Reforma Educativa:
         Artes: (Artes Plásticas, Música, Dança e Teatro) – 4 (Luanda)
         Educadores Sociais – 1 (Luanda)
         Ciências Policiais – 1 (Luanda)
         Formação bancária – 1 (Luanda)
         Geográfica e Cadastral – 1 (Luanda)
         Pescas 1 (Namibe)
       Saúde – 20 (1 Escola Técnica Profissional da Saúde: Huíla; 10 Instituto Médio de Saúde: Bengo, Cabinda, Luanda, Malange, Huambo, Benguela, Bié, KN, Moxico e Uíge; 9 Escolas Técnicas Provinciais da Saúde (Cursos básicos): Bié, Cinene, KK, KS, LN, LS, Namibe, Uíge e Zaire

Cronograma de inserção de 16 Escolas Técnicas na RETEP
         2001: 3 Escolas (IMIL, IMIB, IMISM)
         2002: 1 Escolas (IMPC Cabinda)
         2003: 3 Escolas (IMPAL, IMPPL, IMT17DEZ)
         2004: 4 Escolas (IMELub, IMEKK, IMGK, IMCL)
         2005: 2 Escolas (IMELuanda, IMECbassango)
         2006: 3 Escolas (INP, ITEL, IMAT)
   2007 a 2009 + 34 escolas, sendo 17 escolas politécnicas do Ramo Industrial, 11 de Administração e Gestão e 6 agrárias. 

2. SITUAÇÃO  DA IMPLEMENTAÇÃO DA RETEP EM BENGUELA

Institutos estatais (5)

         IMIB (2001)
         IMPB (2007)
         IMPL (2007)
         IMAGC (2009)
         EPAIJKapango (2009)

Colégios privados (11)

         Henriques (2005)
         Maravilha (2005)
         Zinga (2007)
         Él-Óscar (2007)
         Bancazi (2008)
         Escola Pe Martins Ferreira (2008)
         Golfinho (2008)
         Kat (2010)
         Escola Sto Estévão (2010)
         Chissola (2010)
         Wiliet (2011)
(16 Escolas na RETEP,  12 EM Benguela e 4 no Lobito


III. Oferta formativa na Formação Média Técnica (FMT) (9 Áreas de Formação ; 38 Cursos )

Área de Formação de Administração e Serviços
Ø Gestão empresarial
Ø Contabilidade e Gestão
Ø Administração pública
Ø Estatística e Planeamento
Ø Contabilidade
Ø Secretariado
Área de Formação de Comunicação e Informação
Ø Comunicação social
Área de Formação de Agricultura, Pescas, e Industrial Alimentar
Ø Produção Vegetal (Agricultura)
Ø Produção animal
Ø Recursos Florestais
Ø Gestão Agrícola
Ø Agro – Alimentar  
Área de Formação de Construção Civil
Ø Técnico de Obras de Construção civil
Ø Desenhador Projectista
Ø Topógrafo
Área de Formação de Química
Ø Ambiente e Controlo da qualidade
Ø Química industrial
Ø Petroquímica
Área de Formação de Construção Civil
Ø Técnico de Obras de Construção civil
Ø Desenhador Projectista
Ø Topógrafo
Área de Formação de Electricidade, Electrónica e Telecomunicações
Ø Electrónica Industrial e Automação
Ø Electricidade e Electrónica Auto
Ø Electrónica / Áudio, Vídeo e TV
Ø Energia e Instalações Eléctricas
Ø Electrónica e Telecomunicações
Ø Mecatrónica
Área de Formação de Informática
Ø Gestão dos Sistemas Informáticos
Ø Técnico de Informática
Ø Sistemas Multimédia
Ø Informática de Gestão
Área de Formação de Industrias Extractivas
Ø Perfuração e Produção Petrolífera
Ø Operação de Petróleo
Ø Geologia e Minas
Ø Refinação
Ø Gás
Área de Formação de Mecânica
Ø Manutenção industrial
Ø Máquinas e Motores
Ø Frio e Climatização
 Ø   Metalomecânnica

IV. Oferta formativa na Formação Profissional Básica (FPB) (7 Áreas de Formação ; 19 Cursos )

Área de Formação de Administração e Serviços
Ø Auxiliar de Contabilidade
Ø Assistente de Secretariado
Área de Formação de Agricultura, Pescas e Industrial Alimentar
Ø Auxiliar de Agricultura 
Ø Auxiliar de pecuária
Ø Auxiliar de recursos florestais
Ø Auxiliar de Mecanização agrícola
Área de Formação de Construção civil
Ø Auxiliar de construção civil / Canalizador
Ø Auxiliar de construção civil / Carpinteiro
Ø Auxiliar de construção civil / Pedreiro
Ø Auxiliar de construção civil / Pintor
Área de Formação de Electricidade, Electrónica e Telecomunicação
Ø Electricista de Edificações
Ø Electricista de Baixa Tensão
Ø Assistente de Electricidade, e Electrónica
Área de Formação de Informática
Ø Operador de Informática
Área de Formação de Mecânica
Ø Mecânico Auto
Ø Mecânico industrial
Ø Serralheiro Mecânica
Ø Mecânico de Frio
Área de Formação de Química
Ø Operador de laboratório


Distribuição das escolas técnicas no país

            Província
     Escolas Técnicas Públicas
       Escolas Técnicas Privadas
Total
    Dentro da RETEP
      Fora da RETEP
      Subtotal
1
      Bengo
1
1
2
-
2
   2   
      Benguela
4
1
5
7
12
3
      Bié
3
2
5
-
5
4
      Cabinda
3
1
4
1
5
5
      Cunene
1
1
2
-
2
6
      Huambo
3
1
4
2
6
7
      Huíla
3
1
4
3
7
8
      Kuando Kubango
1
1
2
-
2
9
     Kuanza Norte
1
1
2
-
2
10
     Kuanza Sul
3
1
4
-
4
11
      Luanda
17
9
26
42
68
12
     Lunda Norte
1
1
2
-
2
13
     Lunda Sul
1
1
2
-
2
14
     Malange
1
1
2
-
2
15  
     Moxico
1
1
2
-
2
16
     Namibe
2
2
4
-
4
17
     Uíge
3
2
5
-
5
18
     Zaire
1
1
2
-
2


50
29
79
55
134


V. Pontos fortes (ganhos) e perspectivas com a RETEP

       Criação de dossiers para cada curso, com formação específica, formação geral e técnica tecnológica e prática por curso.

      Criação de todos os planos curriculares para regulares (em 3 anos e nunca mais de 32 tempos semanais, e 6 tempos diários), pós-laboral (em 4 anos e nunca mais de 32 tempos semanais, e 5 tempos diários) de 2ª a 6ª feira), bem assim como as respectivas unidades de aprendizagem.
     Os cursos são seleccionados na 10ª classe, havendo menos generalização dos conteúdos.
  Formação contínua de docentes e directores – nas Áreas Pedagógicas e Didácticas e nos Equipamentos;
    Desenvolvimento Curricular; Organização e Administração Escolar; Dossiers de Cursos e dos Manuais Escolares (2001 até à presente data).

Com base na Lei 13/01 (Lei de bases do Sistema de Educação) foram
criados  normativos constantes  da Organização Administrativa
Escolar, com destaque para:

  •      Estatuto do Subsistema do Ensino Técnico Profissional (Dec.90/04)
  •      Estatuto das Escolas Técnicas (Dec.exec. 87/06)
  •      Regulamento das Escolas Médias Técnicas (Desp. 283/06)
  •      Criação, organização e funcionamento dos cursos médios técnicos (Dec. Exec 39/07 e 70/08)
  •      Regime de avaliação para a FMT e FPB
  •      Normas orientadoras para cada ano lectivo
  •      Projectos Educativos e Regulamentos internos de cada Escola
     Exposição de trabalhos dos alunos na Feira EDUCA ANGOLA 2010, evidenciando as competências adquiridas, com recursos ao ensino experimental – laboratorial.
 Elaboração em 2011 do Manual da Disciplina de Formação de Atitudes Integradoras (10ª e 11ª classes), por técnico nacionais INIDE e Escolas Técnicas).
      Abertura a partir de 2011 de novas Escolas Técnicas como a da Ganda para citar exemplo.
      Reabertura dos cursos da Área de Formação da Saúde.
  Apetrechamento dos Institutos com novos laboratórios, equipamentos e acessórios.
         Aumento da Capacidade de admissão de alunos.
         Melhoria do nível de aproveitamento escolar.
         Criação do GIVA como meio de ligação com o mercado do emprego. 

VI. Pontos fracos

       Falta de docentes sobretudo para as disciplinas técnicas, aliada a ausência de um programa concreto de formação de professores para os Institutos.
         Localização dos Institutos sobretudo no litoral em detrimento do Interior.
  Insuficientes dotações orçamentais para as escolas, nalguns casos alguns Institutos não são ainda OD.
  Inexistência de Anfiteatros na maioria dos Institutos e poucas instalações desportivas.
         Necessidade de residências para a Direcção e para atracção de docentes.
         Nalguns casos não há energia eléctrica da rede.
         Os livros para apetrechamento das Bibliotecas não foram ainda adquiridos.
     Necessidade de transporte para as Direcções e para transporte de docentes e discentes.
     Alguns equipamentos e laboratórios não foram ainda instalados ou não estão ainda em funcionamento. 


VII. Algumas referências da RETEP em Benguela

IMAGC

1.   29 turmas em 2011, com 933 alunos
2.   Primeiros finalistas em 2011 (363 )
3.   Cursos ministrados:
         Gestão empresarial
         Informática de gestão
         Contabilidade
         Secretariado
4. Possui 5 laboratórios (informática (básica, multimédia e avançada)

IMPL
1.   945 alunos regulares em 2011
2.   Primeiros finalistas em 2009
3.   Cursos ministrados:
         Técnico de Petroquímica
         Técnico de Ambiente e controlo de qualidade
         Técnico de Metalomecânica
         Técnico de manutenção industrial
4.   Possui 10 laboratórios/oficinas:
         5 de informática
         1 de química
         1 de física
         1 de metalomecânica
         1 de automação e controle
         1 de manutenção industrial
5.   53 docentes, dos quais 10 estrangeiros (cubanos e vietnamitas)

IMPB
1.   717 alunos regulares em 2011 em 21 turmas
2.   Primeiros finalistas em 2009
3.   Cursos ministrados:
         Técnico de Electrónica industrial e automação
         Técnico de energia e Instalações eléctricas
         Técnico de Frio e climatização
4.   Possui 10 laboratórios/oficinas:
         2 de informática
         1 de química
         1 de física
         1 de electrónica
         1 de máquinas eléctricas
         1 de controlo e automação
         2 de frio e climatização
         1 de electricidade/electrónica
5.   54 docentes, dos quais 3 estrangeiros (brasileiros)


IMIB
1.   2480 alunos em 2011 em 67 turmas  e 652 finalistas
2.   Primeiros finalistas em 2003
3.   Cursos ministrados (11 médios; 2 básicos)
         Técnico  Electrónica e telecomunicações
         Técnico de energia e Instalações eléctricas
         Técnico de Frio e climatização
         Técnico de metalomecânica
         Técnico de máquinas e motores
         Técnico de informática
        Técnico de gestão de sistemas informáticos
         Técnico de obras de construção civil
         Desenhador projectista
         Técnico de contabilidade e gestão
         Técnico de gestão empresarial
         Electricista de baixa tensão
         Mecânico auto
4.   Possui 27 laboratórios/oficinas:

 9 Informática Básica e Multimédia /20 computadores em cada laboratório.
 1 de TREI
 2 de Electrónica
 1 de Telecomunicações
 1 de Física
 1 de Química
 1 de Frio e ar condicionado
 1 de  Máquinas e Instalações eléctricas
 1  de Circuitos Impressos
 1 Oficina  para Práticas Oficinais
 1 Oficina/laboratório de Autotrónica
 1 Oficina de Construção Civil
 1 Oficina de Metalomecânica
 1  de máquinas CNC
 1  de medições e testes de construção civil
 1 alpendre para construção civil
 1 alpendre para máquinas e motores
 1 alpendre para frio e ar condicionado
          5. 157 docentes, dos quais 11 estrangeiros (9 vietnamitas, 1 portuguesa e 1 cabo-verdiano ambos residentes )






IMAGENS DE ALUNOS NAS EMPRESAS




VIII. ministrados nos colégios privados

  1.     Henriques – Contabilidade e gestão
  2.     Maravilha – Contabilidade e gestão
  3.     Zinga – Contabilidade e gestão
  4.   Él-Óscar – Contabilidade e gestão, gestão de sistemas informáticos e desenhador projectista
  5.     Bancazi - Contabilidade e gestão, gestão de sistemas informáticos.
  6.     Escola Pe Martins Ferreira - Contabilidade e gestão e energia e instalações    eléctricas.
  7.     Golfinho - Contabilidade e gestão e auxiliar de contabilidade.
  8.     Kat – Contabilidade e gestão
  9.     Chissola – Contabilidade e gestão
  10.     Escola Sto Estévão – Técnico de gestão de  sistemas informáticos
  11.     Wiliet - Contabilidade e gestão 
  



Muito obrigado pela atenção dispensada

 FIM 


O DIRECTOR 

NELSON JOAQUIM DA CONCEIÇÃO